Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Me, myself & EM

O meu blog :) Finalmente!!! Espero que possa contribuir, de alguma forma, com alguma "ajudinha" a toda a gente que padece e partilha de EM (ou a dita cuja, Esclerose Múltipla). A todos, desejo: "Um dia de cada vez"!

Me, myself & EM

O meu blog :) Finalmente!!! Espero que possa contribuir, de alguma forma, com alguma "ajudinha" a toda a gente que padece e partilha de EM (ou a dita cuja, Esclerose Múltipla). A todos, desejo: "Um dia de cada vez"!

Sete anos#seven years

 

Paro e respiro. Revejo tudo o que se passou lentamente até aqui e a sensação é semelhante a de ter consumido alguns alucinogénicos nestes últimos tempos, em parte, dada a rapidez com que estes anos se desenrolaram ( sensação deveras pertinente dado os últimos estudos lançados com cannabis. ADORO!!!).

Viajo até ao dia em que a minha vida mudou… Podia dizer para pior, mas não seria verdade. Foram tempos difíceis, sim, avizinham-se tempos ainda mais difíceis, com toda a certeza, mas penso que às vezes precisamos de “abanar a árvore” para perceber o tempo que se perde com preocupações inúteis e corriqueiras do dia-a-dia. Não que não as tenha, atenção, mas aprendi a desvalorizar muita coisinha…

Esclerose Múltipla, e eis que me chega esse palavrão. Não me era de todo desconhecida até porque, a intenção seria fazer a minha tese de mestrado na altura sobre este tema. O destino é tão tramado que… Voilá! Levas com ela na primeira pessoa. Para não te armares em fina! Tinha ficado com os pezinhos dormentes durante quinze dias, ao que achei estranho e mentalmente revi todo o tipo de “maleitas” que pudessem estar associados. Não é engraçado teres a sensação de andar a pisar em ovos a toda a hora, pelo menos 15 dias, se bem que vendo bem as coisas, ainda há muitas vezes que continuo a pisar em ovos hoje em dia sem ter necessariamente os pés dormentes…

Na altura de todas as hipóteses consideradas, achei que a mais enquadrada seria hérnia discal, por isso, toca a fazer uma RM lombar para descartar hipóteses… Claro está, a RM não acusou nadinha porque o problema não residia propriamente na lombar. Os quinze dias passaram e com eles também a dormência dos pés e o caso foi esquecido. Até porque na altura, tinha mais em que pensar que uns meros pés “adormecidos”.

Claro que tudo isto foi sol de pouca dura. Embora seja muito céptica nestas questões de “obras do destino” e afins, tenho que dar a mão à palmatória, passado dois meses, o dito destino encarregou-se de fazer das dele. Uma colega de mestrado estava a pedir voluntários para o desenvolvimento da tese dela, e claro está, acedi prontamente. Lembro-me de estar a entrar no hospital e pensar para os meus botões: “Espero sair da mesma maneira que estou a entrar”. Não se concretizou.

Duas horas depois estava dentro da RM à espera que me tirassem de lá. Recordo-me de ter achado uma eternidade e de pensar que talvez se tivessem esquecido de mim. Quando finalmente chegaram e me começaram a fazer um infindável mundo de perguntas só consegui fixar uma frase: “Encontrámos-te umas pintas”. Como Técnica de Radiologia que sou, o termo “pintas” no cérebro não traz de todo um bom agoiro, de maneira que quando vi as ditas “pintas” o meu mundo desabou.

Tinha 26 anos e tinha acabado de ser premiada com uma doença para a vida. E que doença caramba…

I stop and breathe. I re-read everything that has passed slowly here, and the feeling is similar to having consumed some hallucinogens in recent times, in part, given the rapidity with which these years have unfolded (a very pertinent sensation given the latest studies with cannabis. was to have received messages with cannabis articles, urging me almost to use it. Love it!).

I travel until the day my life changed ... I could say for the worse, but it would not be true. It was hard times, yes, even tougher times are coming, certainly, but I think sometimes we need to "shake the tree" to realize the time lost with useless and everyday day-to-day worries. Not that I do not have them, attention, but I've learned to devalue a lot of things ...

Multiple sclerosis, and that's the bad word I get. It was not at all unknown to me why, the intention would be to do my master's thesis at the time on this subject. Fate is so plotted that ... Voila! You take her in the first person. Not to get too thin! I had been sleeping with my feet for a fifteen days, and I found it strange and mentally to see all kinds of "maladies" that could be associated. It's not funny to have the feeling of stepping on eggs all the time, at least 15 days, although I see things well, I still often stomp on eggs today without necessarily having my feet numb ...

At the time of all the hypotheses considered, I thought that the most framed would be a herniated disc, so it is a lumbar MRI to discard hypotheses ... Of course, the MRI did not accuse it because the problem did not reside properly in the lumbar. The fifteen days passed and with them also the numbness of the feet and the case was forgotten. Even because at the time, he had more to think than mere "sleeping" feet. Of course all this was sun of little hard. Although I am very skeptical of these issues of "works of fate" and the like, I have to shake hands after two months, and this fate took care of me. A fellow student was asking for volunteers to develop her thesis, and of course I agreed. I remember walking into the hospital and thinking to myself, "I hope to leave the same way I'm entering." It did not materialize. Two hours later I was inside the RM waiting to get me out of there. I remember having found an eternity and thinking that maybe they had forgotten me.

When they finally arrived and began to make an endless world of questions, I could only state one sentence: "We found you a few pints." As a radiology technique that I am, the term "pints" in the brain does not bring a good impression, so when I saw the "pints" my world collapsed. From that little or nothing I remember. I remember the technician saying to me: "Nowadays with interferon, you will see that it will be okay." That's when the chip fell and I thought: How ?!

I was 26 years old and had just been awarded an illness for life. And what a damn disease ...

 

2 comentários

Comentar post